Skip to content
The Aetherius Society

Os Avatares Cósmicos

Representação artística de Sri Krishna

Muitos dos grandes professores espirituais do mundo são, na realidade, Mestres Cósmicos que chegaram à Terra vindos de outros planetas. Os exemplos incluem o Mestre Jesus, Sri Krishna, o Senhor Buda, Lao Tsé, Confúcio e Sri Patanjali. Estes indivíduos espiritualmente avançados ofereceram a sua sabedoria sobrenatural de diferentes formas, em diferentes épocas, em lugares diferentes, para nos ajudarem a progredir na nossa jornada evolutiva de volta à Fonte Divina de onde viemos.

As palavras que lhes foram atribuídas nos textos antigos como a Bíblia, o Bhagavad Gita, o Dao De Jing (também conhecido como o Tao Te Ching), e por aí em diante, são uma luz que ilumina toda a humanidade – mesmo que estas grandes obras, tal como nos são transmitidas ao longo dos séculos, não sejam necessariamente precisas ou completas na sua forma atual. Devemos focar-nos em ideais que esses textos inspiracionais têm em comum, em vez de nos focarmos nas mesquinhas diferenças em termos de dogma, como tem acontecido tão frequentemente na nossa história – frequentemente com consequências terríveis que são exatamente o contrário das filosofias em questão.

A palavra “avatar” deriva de uma expressão em sânscrito que significa “descida”, pois esses grandes seres desceram ao nosso encontro vindos das suas moradas celestiais noutros planetas. Eles escolheram, em compaixão, sacrificar a sua beatitude e permitir que uma parte da sua consciência nascesse como um bebé na Terra, num corpo aparentemente igual ao nosso. Depois, permanecem aqui por um certo período de tempo, durante o qual ajudam a humanidade de diversas maneiras, incluindo a transmissão de ensinamentos espirituais.

Enquanto está encarnado na Terra, um Avatar Cósmico encontra-se sujeito a uma tremenda limitação, e detém apenas uma parte dos poderes e da sabedoria de que eles desfrutam no seu próprio planeta. Uma razão importante para isso é o fraco estado do karma da humanidade no seu todo. Pura e simplesmente, não estamos prontos, e não merecemos, a intervenção direta e pública desses grandes seres no que é denominado o seu “Aspecto Total”.

Ver também: Porque não aterram eles mais abertamente?